Lei Rouanet traz retorno 59% maior que valor financiado, mostra FGV

São Paulo — Alvo de críticas agressivas e pouco fundamentadas durante as eleições de 2018, a Lei Rouanet – a lei federal de incentivo à cultura – costuma ser relacionada apenas ao benefício de artistas e produtores “folgados”. Nada mais longe da realidade. Dentro da economia e cultura criativa, o incentivo fiscal a milhares de projetos gera …

São Paulo — Alvo de críticas agressivas e pouco fundamentadas durante as eleições de 2018, a Lei Rouanet – a lei federal de incentivo à cultura – costuma ser relacionada apenas ao benefício de artistas e produtores “folgados”. Nada mais longe da realidade. Dentro da economia e cultura criativa, o incentivo fiscal a milhares de projetos gera um impacto essencial à economia brasileira.

Dados do Ministério da Cultura mostram a importância da economia criativa. Tais atividades representam 2,64% do PIB brasileiro. As 251 mil empresas do segmento cultural criam um milhão de empregos diretos e geram mais de R$ 10,5 bilhões de impostos diretos.

Um estudo inédito da Fundação Getúlio Vagas (FGV), divulgado com exclusividade durante o EXAME Fórum Cultura e Economia Criativa na manhã dessa sexta-feira (14) em São Paulo, revelou o impacto econômico da Lei Rouanet em seus 27 anos de história.

Os dados, apresentados pelo coordenador da FGV Luiz Gustavo Barbosa, mostram que a lei é benéfica à sociedade e seu impacto reverbera em 68 atividades econômicas diferentes, do transporte ao turismo, do setor alimentício às finanças.

Retorno 59% maior

Quem desconhece os mecanismos da lei acha que as renúncias fiscais promovidas fazem com que o Brasil “perca dinheiro” e “deixe de arrecadar”. O estudo da FGV mostra um dado incontestável e refuta essa noção.

Em quase três décadas de lei, cada R$ 1 captado e executado via Lei Rouanet, ou seja, R$ 1 de renúncia em imposto, acabou gerando em média R$ 1,59 na economia local. Ou seja, a economia criativa incentivada pela lei gerou, na ponta final, recurso 59% maior em relação à ponta inicial. Em outras palavras, o incentivo à cultura gerou riquezas à sociedade, não custos.

Entre 1993 e 2018, a lei gerou R$ 31,22 bilhões em renúncia fiscal, em valores reais corrigidos pelo IPCA. Esses R$ 31,22 bilhões não só retornaram à economia brasileira como geraram outros R$ 18,56 bilhões. No total, o impacto econômico da lei foi de R$ 49,78 bilhões.

“A Lei Rouanet extrapola o setor cultura. E este impacta em todos os setores da economia, em diferentes proporções. Após a lei, vem toda uma cadeira produtiva que envolve venda de ingressos, turismo e eventos, financiamentos públicos e privados, alavancando a economia”, diz Barbosa.

O estudo mostrou o impacto real por segmento, entre 1993 e 2018, na economia brasileira:

  • Artes Cênicas – R$ 11,8 bilhões
  • Audiovisual – R$ 5,0 bilhões
  • Artes Visuais – R$ 5,3 bilhões
  • Humanidades (Letras) – R$ 5,0 bilhões
  • Música – R$ 10,5 bilhões
  • Patrimônio Cultural – R$ 12,2 bilhões

Para todos os tamanhos

O estudo da FGV também revelou que, contrariando o senso comum de que apenas grandes empresas ou artistas famosos estariam “tirando proveito” da Rouanet, 90% dos recursos da lei, das renúncias fiscais, vai para projetos pequenos, de menos de 100 mil reais. 66,3% destes têm gastos menores que 25 mil reais.

A lei, assim, aquece micro e pequenas empresas dentro da economia criativa, não apenas grandes grupos já consolidados, fator essencial para o incentivo à inovação e empreendedorismo.

“Esses dados rebatem muitas das críticas que a lei sofre. A agenda da cultura é uma agenda econômica e é fundamental para o Brasil de hoje”, conclui Barbosa.

Com informações do site EXAME

Share this Story
Carregar mais Posts Relacionados
Carregar Mais Por Jimmy Macedo
Carregar Mais Em Blog Foobá

Comente

Your email address will not be published.Campos obrigatórios são marcados *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Veja Também

Anavitória em Juazeiro do Norte

O Dueto formado pelas talentosas Ana Caetano e Vitória Falcão fará apresentação este semestre em Juazeiro do Norte - CE.

Sobre Jimmy Macedo

Profissional de marketing digital e comunicação, Jimmy é um grande entusiasta da cultura e entretenimento. Amante de música, idealizou este portal para colaborar de forma efetiva com o cenário que tanto o diverte e inspira.

Últimas

Assine nossa newsletter e receba nossas novidades por email

Mantemos os seus dados privados e os compartilhamos apenas com terceiros que tornam este serviço possível. Leia nossa política de privacidade.

Instagram

  • Com 61,2% dos votos @anaruthof é salva pelo público e passa de fase no @thevoicebrasil 
#teamanaruth #teamiza #thevoicebrasil
  • Jack the Joker: banda cearense lança campanha de Crowdfunding para gravar seu novo álbum⠀
Jack the Joker lançou na noite de terça (17) a campanha de Crowdfunding para lançamento do seu novo álbum.⠀
Saiba mais, link na bio
  • “NuloNunca” será apresentando na calçada do Theatro José de Alencar⠀
A estreia é no 0800.⠀
⠀
Saiba mais. Link na Bio.
  • Sarau e Encontro de Arteterapia⠀
O objetivo do Sarau é proporcionar a discussão sobre o sofrimento partir de manifestações artísticas,com conceitos da Psicopatologia.⠀
⠀
Saiba mais. link na Bio.
  • O ator americano Jack Black que estará no Brasil em Setembro com sua Banda Tenancious D quer encontrar o baixista brasileiro Júnior Bass Groovador.⠀
⠀
Link na bio
  • Arregaça os portões do Cangaço, Preta Bigode Bar voltou para os bares carirenses. Nos dia 27 e 28 de setembro, às 21h30, você puxará uma cadeira e irá pedir uma cerveja gelada, caso não beba, peça uma água, o importante é fique, pois vai ter história, e não é qualquer história, é historia para se emocionar e participar.⠀
⠀
+info Link na Bio
  • Suzane Von em duas versões diferentes.⠀
Com olhares diferentes, Suzane Von Richofen, condenada pela morte dos pais em 2002, ganhará dois filmes com duas versões diferentes. A história da assassina será contada a partir do depoimento da própria Suzane e por Daniel Cravinho, seu então namorado, que também participou do crime. A proposta é que o público assista e tire suas próprias conclusões.⠀
⠀
Link na bio
  • Marjorie Estiano recebeu a indicação ao Emmy Internacional de melhor atriz. Concorre ao prêmio pela atuação como Carolina, na série “Sob Pressão”.⠀
⠀
⠀
Link na bio

Siga-nos!